quarta-feira, 23 de julho de 2008

Desabafo


Eu declaro livre a força que vive em mim
Toda luta, toda garra, toda nua
Solta, no vento
A alma antes presa
Dança
Meu manifesto é contra o não ser
Eu quero sorriso e pranto
A idéia antes presa,
enrolada no alto da cabeça.
Tudo mexido no liquidificador
Com uma ponta de esperança
E um exagero de fé
Prá frente ando
(Se não é otimista,
vai pro fim da fila)

É, pois é.
num arrasta pé amador
é que o povo é feliz.
Quem não é nada, finge ser
Mas não engana ninguém
Perto da gente que não finge e é vida.

Eu sou castanha e pixaim

Sou povão.

Sou feliz.

Um comentário:

Deborah disse...

adoro gente de verdade como você - gente em extinção.
adoro você!
bjs