terça-feira, 29 de abril de 2014

Afinal, quem é você?

(Coração por Alexandre Barasino)


Perguntaram hoje: "afinal, quem é você?"
Ora, quem sou eu!
Sou um coração
enorme, derretido igual manteiga
que bate cheio de vigor
que sente tudo com intensidade
vívida.

Eu sou quem vive a vida por amor, com amor
e que obedece a lei do coração.
Não dou a mínima para papéis complicados,
não me interesso pelos números de estatística.
Me importo somente com o que meu coração diz
o que ele diz é lei
a lei universal de amar:
amar o mundo
amar as pessoas
amar o universo todo
do jeitinho que ele é.

Meu caminho é para onde 
meu coração me manda seguir.


segunda-feira, 28 de abril de 2014

O caminho da vida


Dos tantos caminhos
que a vida me deu para escolher,
escolhi um que parece solitário, 
mas que é o mais bonito:
o caminho do Ser.

Escolhi buscar respostas
para as perguntas que ninguém se importa.
E na caminhada, me deliciar
com o canto das folhas
das árvores, que ficam
felizes com o carinho do vento.

E um passo após o outro,
vou por meio às trevas até chegar à luz.
É lá que minha alma mora.
É lá que quero chegar.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Flores para você


Amo as flores
porque me fazem lembrar 
que a beleza é efêmera
que a felicidade é um momento.

O perfume das flores
é a alma do vento.
Sem as flores, o vento não teria
boas-novas para  levar.

A cor das flores representam
as cores da nossa própria alma.
E é interessante observar
que não importa a cor que sua alma traga,
porque como as flores,
nossa alma sempre é bela.
Beleza efêmera, que
em um único segundo,
planta um sorriso nos lábios de quem nos ama.



quinta-feira, 24 de abril de 2014

Tesouro



Ei! Você aí do outro lado de tudo!
O que traz aí dentro do coração?
Todos temos aí guardado um tesouro.
É sério! É aí onde Deus esconde o segredo de tudo.
Já experimentou abri-lo?
Sabe o que tem aí dentro?

Tem gente que tem medo de abrir.
Tem quem enlouqueça ao abrir.
Outros tentam fechá-lo para sempre.
Há quem tente se livrar dele.
Tem quem tenta esquecer dele.

O mais importante está aí dentro
e o mais belo é oferecer
tudo o que se é
para quem verdadeiramente se ama.

O mais belo é arriscar-se a perder o que se tem
investindo tudo em somar 
seu  próprio tesouro com o do outro
e juntos, serem as pessoas mais felizes do mundo.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Será que perdi o trem?


Para onde foram as pessoas verdadeiras?
Dizem que a internet é um reflexo da sociedade.
Será que viramos então todos psicopatas?
Afinal, a vida virou um teatro de máscaras
onde todo mundo finge ser feliz e bonzinho,
mas no fundo é só egoísmo, poder,
é só fingimento, alegria de fazer mal ao outro,
manipular a todos.
A vida virou a arte de culpar os outros
pelos seus próprios fracassos.
Ser bonzinho agora é ser vítima de tudo.

Não sei bem como isso começou.
Perdi o trem.
Ainda bem! Ainda prefiro me manter fora dele!


terça-feira, 22 de abril de 2014

Quando dizem por aí



Quando me dizem como sou tola
como me desgasto, como me estresso
porque me dou tanto,
eu penso no plano que tracei
com lápis colorido,
no plano que desenhei para a minha vida.

Lembro do sentido que faz para mim,
recordo que o tempo está correndo
e que estou a poucos passos do meu objetivo.

Penso nas estratégias que tracei,
em tudo que alcancei,
em como falta tão pouco
para chegar aonde quero chegar.

(Ninguém sabe, mas guardo um sorriso matreiro
dentro de mim, só meu, só para mim)


segunda-feira, 21 de abril de 2014

Alquimia




A cozinha guarda os maiores segredos do universo. Lá descobrimos o nosso poder de transformar a matéria. De transformar o cru no cozido macio. De temperar a vida até que se torne mais palatável. De dar cor, textura, sabor às nossas experiências.

Cozinhar é aprender a arte da transformação, do tornar possível o impossível. Ver o grão duro de milho virar flor, é amassar a farinha e os ovos e ver brotar o pão de cada dia.

Deslumbrar-se com o poder de purificação do fogo. Entender o carinho da água e do leite sobre a farinha. É ver os ingredientes se misturando e conversando entre si, até que se tornam uma coisa só.

Aprender a dar carinho, transformando uma casa triste só com um cheiro de bolo assando no forno. Descobrir que os temperos, presentes da terra, perfumam e dão alegria e vida, abençoando a comida.

Encontrar catedrais sagradas em uma cebola. Vê-la derreter o coração mais frio. Por isso, as lágrimas: são gelo que havia dentro de nós que só podem sair derretidos para fora.

É neste espaço que descobrimos o segredo da alquimia de cozinharmos nossos sentimentos e torná-los purificados e saborosos. Por isso a alma de qualquer casa (e porque não a nossa?) fica guardada na cozinha.


quarta-feira, 16 de abril de 2014

Pássaro

A TV diz que sou feia.
O centro estético me mede com fita métrica.
Por aí me oferecem remédios, enzimas,
drenagens, injeções, cirurgias
e comida com gosto de palha.

Arruma esse ombro!
Emagreça agora!
Afina esse nariz!

Bah! Para quê?
Se pisar na grama é de graça
e minha alma fica tão leve com isso!
Se as flores dizem o que sou!
Se meu pensamento é reto!

Se eu posso voar acima das nuvens
e vislumbrar tudo de cima, radiante,
para quê raios devo me preocupar
com os padrões se o que eu quero
é exatamente fugir deles?