terça-feira, 30 de setembro de 2008

Roda da Fortuna II

Ás vezes a gente tem que ouvir coisas que não merecemos
Pode ser que as coisas venham da boca de quem não gostamos
e não nos surpreende, é até engraçado
Se torna um gasto de palavras desnecessário
porque já sabemos que este não gosta de nós
porque nós não gostamos dele

Mas pode ser que essas doídas coisas
venham da boca de quem amamos.
- do lado que não esperamos
E o mundo se esvai em grãos de areia pelos dedos
um abismo se abre
e temos o ímpeto de vestir armaduras de aço
para machucarmos nossas próprias feridas
porque nos sentimos culpados pelo golpe desferido
daquele que asssim mesmo amamos
.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

SHIVA


Tem dias que dói algo lá dentro
e eu me encolho inteirinha
Para defender meu eu de mim mesma
Falo o que não penso
Penso o que não sou
Dias de regressão.
De lua minguante
Noites de frio.
Engano.
Dias de destruir
de ficar encolhida
e esperar as sementes
que plantarei nos meus vazios
para nascerem
rosas.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Inverno em mim


A lágrima era calor,
esvaziando os olhos mouros

O sonho agora destruido escorria dos olhos mortos
se despedindo do corpo que habitou

A dor habitava a alma
e as pernas andavam
para trás, revivendo passados

A cidade era um flash cinza
o frio que a lágrima deixou

Asfalto negro, pessoas sem rosto
Meus dedos tocavam pedras, securas e vazios.
Meu corpo suicida queria voar.