A tardinha


A tarde cai devagar
pintando o céu de vermelho
eu só observo da janela
olhos secos
boca num sorriso feio.

O frio fere a pele do rosto
e canta nos ouvidos.
A solidão me abraça
convencida que sou só dela
e de mais ninguém.

A noite chega, devagar
eu observando pelo vidro
olhos úmidos
boca numa canção doída.

Escureço,
junto com a noite
quieta e calada.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saturno

Espera