Florescer

Ilustração de Alexandre Barazino



Ela estava estranha naquele dia.
Resolveu então sair e respirar,
suspirar, refletir o que acontecia,
por quê estranhar-se a si mesma.

A passos lentos e preguiçosos
entrou num parque qualquer,
sentou-se em um banco qualquer
e viu nas árvores únicas
pequenos botões
que logo seriam flores.

Será que também ela era um botão?
Será que seu destino também era ser flor?
e se estivesse se sentindo estranha
porque não estava sendo o que deveria ser?

Um sorriso despontou. Sentiu a resposta lá dentro
florescer  em seu coração.
Apesar de tudo,
era primavera.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Saturno

Espera